terça-feira, 28 de agosto de 2007

Esqueçam o espelho d'água. Por um instante, por um segundo. Agora vou falar de coisa séria.
Tenho pensado muito acerca das poesias que venho fazendo desde quando me meti a fazer poesias outra vez e não cheguei a uma boa conclusão.
Sinto que minha poesia é uma ilha que não busca conexão com quem vai lê-la. Isso me deixa chateado.

Primeiro, porque sei que esse é um erro velho, cometido por nossos queridos românticos. O ditado já diz: "errar é humano. Repetir o erro é burrice." E como a ficha caiu, logo mais haverá modificações no que eu escrevo. Não sei: conteúdo, forma de expressar, enfim. É aí que entra o segundo motivo que me deixa chateado.

O projeto Espelho D'água segue FIELMENTE essa linha que eu reconheço como... hum... obsoleta e desgastada e da qual estou tentando me desligar como forma de ultrapassar minha poética e de reciclar o que venho produzindo. Espelho D'água talvez até tenha algo de mais universal e conectivo, principalmente em sua vertente niilista e existencial. No resto, entretanto, devo reconhecer a existência desse sentimentalismo medíocre e reduzido a uma perspectiva individual. Até a forma como o projeto se organizou (meus projetos têm vida própria, são "mero fruto do acaso", meu acaso, por sinal) é isolada dentro do pequeno mundinho de Yuri.

Vejam só, que ironia. Eu rompendo com eu mesmo. (olha, gente, eu tô crescendo! hahahahaha)

5 comentários:

Sofia Sampaio disse...

"Romper com si mesmo" eita que eu acho isso uma coisa difícil que só de fazer ...
mas o crescer é assim mesmo, por mais que você nem note, o que às vezes é até bom, digo, que você não note, pois notando você não está crescendo nem mudando, você está de forçando a ser alguém que não é, e sim que quer ser!

Escreva o que sente e isso já é lição demais! Seja verdadeiro e escreva o que quiser, não existe mais liberdade do que escrever, aproveite essa pequena esfera livre que ainda existe!

Leila Lopes disse...

Não se questione demasiadamente, siga em frente e deixe acontecer. O que é verdadeiro e/ou profundo sempre há de se comunicar. Bjo

Bruno disse...

Mermão, cê tem que fazer o que VOCÊ quer.
Dane-se o alheio.
Você tem condições de mandá-lo se danar.
Não estou dizendo pra ser um rebelde,
mas faça as coisas do jeito
que achar melhor.
Se escrever "pra si mesmo" está
realmente te incomodando,
então pare de fazer.
Mas isso não tem nada demais.
Segundo Caetano:
"Tudo que eu escrevo é autobiográfico.
Até o que não é, é."

Parabéns pela poesia (obra).

héber sales disse...

vc já leu "cartas a um jovem poeta", de rilke? tem tudo a ver com teu momento, eu acho.
abraço!

Lunna disse...

"Romper consigo mesmo" isso me lembra Rilke. Risos.
E olha que isso não é algo fácil, mas em algum momento isso simplesmente acontece.
Beijos meus

Aproveitando para:
Neste findar de tarde, rasgar-me em versos antigos. Um possível olhar por janelas oras abertas, oras fechadas. Por hora, me dedico a rascunhar um caderno de poesias e o faço no Livro Aberto...
Deixo aqui o convite para seus olhos, quem sabe te alcanço... Quem sabe você me alcança.
Beijos meus a você...
www.folhasouvento.blogspot.com (eis o caminho)