quarta-feira, 5 de setembro de 2007

Um belo dia, eu ousei ser surreal.

Poema translúcido
A água n'água não ferve
É bolha peremptória:
Há carência de idéia, de vida.
Sinfonia vitoriosa, acquamares.
Espelho vivo, corro de lua pra dar na vida.
Pra ter idéias.

Por Dona Nervosa, a frustrada.

8 comentários:

Jefferson de Souza disse...

Oraora... Excelente!!! =)

Voltarei mais vzs aqui, com certeza!

Até mais!

Analuka disse...

Muito denso, e também delicado, este teu poema, Yuri! A frustração e a falta, às vezes, nos incitam a buscar o além do óbvio - quando transformadas em energia propulsora e pulsante! Desejo dias inspirados...

Te convido a visitar meu blog e conhecer um poema sensual da amiga Glória Azevedo. Abraços surreais.

Maria Rita disse...

Gostei do que vi, encontrei muito de mim aqui. Tank's...

Leila Lopes disse...

a água é verdadeira fonte de inspiração: emoções brotam, limpezas tantas, transparências envolvem.
Bjo

héber sales disse...

sempre bom atentar
na semiose das águas
abraço!

Lunna disse...

Um sorriso e um silencio para seu versar meu caro.
Beijos meus a você...

Edson Marques disse...

Ins-pirante!



Mas, se você não encontrar razões para ser livre, invente-as.


Abraços, flores, estrelas..

.

Bruno disse...

Caralho...


"Acquamares"...

Palmas pra você,
que palavra incrí-ssinonante!