segunda-feira, 11 de maio de 2009

quer queira quer não
em pura geometria
ele me traça linhas
inaugura o meu eixo
numa direção que não existia
como se selado um acordo
e eu então o sofrendo
tranquilamente envergado.

do prazer que manuseia
põe uma forma
e sob tal efeito
arrisco um reflexo.

de impossível
faço-me miragem.